terça-feira, 2 de junho de 2009

Horas

Foram duas horas. Que me pareceram quinze minutos.
E que eu queria que fossem anos.
Na intensidade dos segundos que passaram, a leveza dos olhares que se cruzavam.
Assim, como quem não quer nada, mas que diz tudo sem falar.
Regados a meia taça de vinho, a risadas, a toques ansiosos...e suaves.
Abraços que pediam pra ficar mais um pouquinho, só mais um pouquinho.
Cara de pau, me aproximava.
E sentia. Como se as imagens inundassem os olhos pela primeira vez, como se o som vibrasse pela primeira vez, como se vivesse pela primeira vez.
Sentia, como criança que se apropria do novo mundo.
Tornou-se inesquecível.
Lindas horas. Exultantes horas. Expressivas horas.
Finitas.
Se foi e não voltou.
Fiquei. Por mais algumas horas...e fui também.
De volta ao comum, onde as horas são só horas.

Marília M.

2 comentários:

Emmanuel disse...

oi Linda
to vendo vc esta animada com o blog , fico feliz por isso...agora so me responde uma coisa, o q vc quer dizer com este novo poema , pois como sou sou totalmente ignorante com relação a isso nao entendi nadinha

Manu

Wanderson Rodrigues disse...

Mah, você me surpreendeu além do que eu imaginava... E muito!!!

Beijos